domingo, 24 de agosto de 2008

O que não nos pertence...

«O que não nos pertence, completa-nos»

Paramahansa Yogananda


Quando li pela primeira vez esta frase, aceitei-a intuitivamente como verdadeira, mas terá certamente um sentido diferente para cada um.
O que eu reconheço nesta frase é que poucas são as coisas que nos pertecem.
Mesmo este corpo que dizemos ser nosso, um dia deixará de ser; mesmo os objectos que nos rodeiam apenas são nossos temporariamente e as pessoas com quem partilhamos a vida, poderemos alguma vez dizer que nos pertecem?
Mas «o que não nos pertence, completa-nos». Pergunta-se porque gostamos daquela pessoa? Talvez porque ela é tão diferente de nós que em algum aspecto poderá colmatar as nossas falhas ou então porque é tão parecida connosco que proporciona a expansão das nossas virtudes. Quer num caso quer noutro, essa pessoa completa-nos. E reciprocamente, também somos nós a completar o outro.
Mas se existe alguém que nos completa, decerto não nos pertence. Daí que em alguns haja a ilusão de que o controlo e o poder são sinónimos de posse.
Ninguém é de ninguém, radicalmente falando.
Todos têm o seu lugar e espaço próprio enquanto seres únicos e ímpares.
Então, afinal o que nos pertence? A liberdade? Se não é a liberdade física, pelo menos é a do pensamento. Ou a vontade, os valores, sonhos e ideiais. Tudo isso é nosso, só nosso.
Só que não fomos feitos para viver sós, porque não nos sentimos completos na solidão. Precisamos de partilhar e dar, ... é que só na reciprocidade podemos encontrar a plenitude...
CarlaSofia

7 comentários:

peciscas disse...

A solidão, por vezes até é agradável, mas só quando é passageira.

No próximo dia 15 de Setembro, realiza-se uma blogagem colectiva subordinada ao tema “JUSTIÇA PARA FLAVIA”.
A Flavia é uma jovem, que há mais de dez anos vive em coma, após os seus cabelos terem sido sugados pelo ralo de uma piscina, com um poder de bombagem absurdamente superdimensionado.
A sua mãe, Odele Souza, desenvolve, há longos anos, uma luta, nos tribunais brasileiros, em prol de uma condenação dos responsáveis pelo acidente e pela atribuição de um indemnização justa, que lhe permita continuar a tratar da filha com a dignidade e a qualidade minimamente exigidas.
Deixo aqui um apelo à participação nesse movimento solidário que se expressará no próximo dia 15 de Setembro.
Para já, pede-se a adesão dos blogonautas, através da afixação no seu blog de um selo alusivo e, depois, no dia marcado, pela publicação de um post sobre o tema.
Este selo e mais pormenores poderão ser obtidos no blog de Flavia:

http://flaviavivendoemcoma.blogspot.com/

D.Antónia Ferreirinha disse...

Pensamos , por vezes ser possuidores de tantas coisas, e depois de nos debruçarmos sobre isso, verificamos que possuimos tão pouco.
Beijinho.

Pelos caminhos da vida. disse...

olá amiga!

Obrigada pela visita.

Belo texto, fico eu aqui agora pensando: o que é meu???

Uma otima tarde.


beijooo.

C. disse...

Não podia estar mais de acordo com o que disseste. A única coisa que nos pertence é o que literalmente somos.

Beijinhos

cassamia disse...

adorei oteublog e voltarei muitas vezes

Multiolhares disse...

Paramahansa Yogananda,
Como qualquer mestre, não diz directamente
O que as frases querem dizer concretamente, nós
Conforme o nosso grau de consciência é que interpretamos

Eu penso que ele se refere á nossa alma
Porque tudo o que são quereres vem do ego
Então só a alma algo puro que não é nossa fazendo parte de nós
Nos pode completar

Mas não passa de um pensamento, como a verdade não
Passa de meia verdade, cada um tem a sua

beijinhos

Safira disse...

Pertence-nos também o sonho que, na ausência dessa reciprocidade que nos completa, torna a solidão menos dolorosa.
Beijinho

Um Anjo disse-me:
A nossa Fé dá-nos a força que precisamos quando tudo parece impossível.
As fotos deste blog são de minha autoria, à excepção das que são oferecidas pelos meus amigos. Todas estão devidamente identificadas.

Seguidores

Arquivo dos Universos

universos criados por aqui...